DESPERTAR DE CONSCIÊNCIA PARA A CONSCIÊNCIA DOS ANIMAIS

No dia 13/10/19 a minha companheira de quase 15 anos se foi. Como eu já sabia, seria a perda mais dolorosa e difícil da minha vida. Mas depois do luto, fica a saudade e muito aprendizado. Não acredito em missão, mas seja qual tenha sido seu objetivo, ela certamente o ultrapassou, dando um salto consciencial que vi poucos seres humanos conseguirem.   

Meu objetivo com essa história não é causar tristeza. Muito pelo contrário. Nós passamos por tantos processos juntas, por tanto aprendizado, que para honrar sua existência, quero compartilhar uma pequena parte de sua história.

Ah, um breakzinho…se você não acredita que os animais possuem uma consciência aberta, se comunicam e passam por diversos processos emocionais e espirituais, sinto muito. Por você.

O processo de amadurecimento da Jaya enquanto ser e consciência começou após a morte do Jambo há uns 6 ou 7 anos, meu lindo e querido Jambolão, que era seu grande protetor e irmão de coração. A ele cabia não só a proteção da casa, no sentido físico, mas ele tinha uma energia tão forte, que só por existir, sua presença já trazia uma segurança e paz enormes.

Com ele a Jaya podia se dar ao luxo de ser uma eterna adolescente, onde viver significava brincar e não se preocupar com mais nada. E com sua ausência, ela se viu no papel de guardiã.

Algo que para a maioria dos seres humanos seria algo normal para um Pastor Alemão. Mas para ela, não.

Parte do consciente coletivo dos Pastores Alemães a obrigava a cumprir esse papel. Mas sua alma não tinha essa configuração. O que trouxe a ela uma série de consequências físicas. Ela não só sofria a falta do seu amigo, mas o conflito de assumir um papel que ela nunca quis, nem estava preparada para tal. Ela começou a demonstrar problemas de pele, que significavam rejeição e problemas de coluna, que sim, estavam relacionados à uma má formação e ao piso liso, mas a coluna doía também porque sua estrutura tinha sido abalada. Ela não se achava forte o suficiente.

Em vários momentos eu me questionei sobre o papel que as pessoas impõem a seus animais como guardiões pessoais. Essa crença de que todos os cães e gatos já vêm com essa missão é uma crença burra e cruel. Cada indivíduo é único e tem o direito de escolher. Da mesma maneira que cada ser humano possui diferentes talentos e aptidões, os animais também.

Neste processo, tivemos várias oportunidades de comunicação telepática através de profissionais incríveis e isso foi abrindo cada vez mais nossas consciências e corações para aprender com ela. O que era importante para Ela em primeiro lugar.

Cheguei a dar a ela uma medalha por sua atuação e disse que podia se aposentar, para livrá-la deste peso que era tornar-se uma guardiã. Que a partir daquele instante ela estava livre deste papel, para que fosse o que desejasse. Foi uma tentativa para que ela relaxasse e voltasse a ser a menina brincalhona de sempre.

Mas seu processo de autoconhecimento e amadurecimento já não tinha mais volta. As dores físicas e a idade já não permitiam as mesmas brincadeiras e as longas caminhadas. O que nos fez pesquisar sobre o histórico traumático que os animais carregam em seu DNA e memória celular. E nos últimos anos começamos um processo de limpeza e liberação de traumas do passado. Tanto como animal, de sua linhagem enquanto Pastor Alemão que traz um histórico de manipulação genética, abusos físicos, dominação e abandono. Assim como de suas outras partículas em outras raças e vidas, que tiveram ressonância com os mesmos sentimentos.

E você deve estar pensando: “mas era só um cachorro!

É uma alma, um ser completo, integral, inteligente, consciente de seu papel enquanto um animal de quatro patas, da mesma maneira que era consciente de sua história anterior em outros corpos.

Talvez ela não quisesse ter enfrentado diretamente seus medos e traumas e seu plano inicial era só ser mais um cachorro. E passar seus quase 15 anos brincando e fazendo de conta que mandava no mundo todo.

Mas é aí que o nosso despertar consciencial entra na história. Quando você (ser humano e tutor) se torna consciente, tudo muda à sua volta. Quando você começa a observar verdadeiramente aquele ser e tenta compreender suas necessidades além do corpo físico, quebrando paradigmas pré-estabelecidos, como “todo cão é guardião”, ou “todo cão sabe seu propósito”, ou “todo cão é só amor incondicional”, você se abre para questionar.

Questionar suas crenças e seus preconceitos sobre a capacidade consciencial de qualquer ser. Seja cão, gato, pássaro, réptil e até mesmo plantas.

Ao permitir que exista uma fusão de consciências, não existe limite. Os limites do corpo físico já não fazem mais sentido e abrem-se infinitas possibilidades para o conhecimento.

A Jaya veio para nos mostrar que o caminho é a dúvida, o questionamento. Sempre que a gente achava que tinha a resposta, ela nos apresentava novos ângulos, novas maneiras de ver uma determinada situação. Muitas vezes tão óbvias e cristalinas, que nos faziam crer que o ser irracional somos nós. Tanta razão, que não servia para nada. Tanto controle, para que ela decidisse seu caminho e seus meios preferidos de cura emocional, energética e espiritual.

No final, nós duas tivemos que aprender com os diferentes papeis que cumprimos ao longo desses quase 15 anos. Nos alternamos no papel de guardiã e amiga, uma da outra.

E hoje somos almas unidas em vários propósitos, sendo o principal, ascender. Sair da matriz que subjuga e inferioriza consciências tão nobres e belas.

E a mensagem que eu e ela gostaríamos de deixar, é que seus amados companheiros patudos são seres de grande percepção, absorvendo tudo o que se refere ao meio em que vivem. Os atos, pensamentos, dúvidas e medos de seus tutores são percebidos a nível celular, afetando diretamente sua saúde física, energética e espiritual.

Ao despertar para novos níveis de consciência, é fundamental que o ser humano compreenda sua responsabilidade no processo ascensional daqueles que estão sob seus cuidados. Que se responsabilize por sua proteção e limpeza energéticas e não os faça de lata de lixo.

  • Não, eles não são seu guardião e sua tronqueira de quatro patas.
  • Não, eles não têm a obrigação de limpar o lixo que você traz da rua, de seus traumas e suas frustrações.
  • Não, eles não têm a obrigação de carregar suas magias, ao ponto de desencarnarem como consequência.
  • Não, eles não são objetos para que você os confine ou os acumule nos quintais e gaiolas de sua negatividade.

Pare de copiar e colar conceitos da internet sobre a espiritualidade animal. Vá atrás de compreender, de estudar, de meditar ao lado de seu animal, de olhar no olho, de ficar em silêncio, apenas. De ouvir o que eles dizem diretamente ao seu coração.

Jaya e sua medalha de coração, por seus bons atos, amor e coragem. A gente ainda tem muuuuita história prá contar…

Fonte da imagem da capa. Direitos reservados ao artista: https://mymodernmet.com/starry-night-dogs-aja-trier/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s